.

E http://dicasdaantenadaereciclada.blogspot.com/: Com dicas de locais interessantes, compras, decoração, diversão tendo por objetivo a reciclagem, o estar em dia com o que acontece contribuindo para você viver melhor!

.

Related Posts with Thumbnails

terça-feira, 4 de agosto de 2009

Campanha Saco é um saco

Saco é um saco
Com esse lema, o Ministério do Meio Ambiente lança campanha para consumo consciente de sacolas plásticas, que já atingem a marca alarmante de 12 bilhões por ano no país


Todo mundo sabe que as sacolinhas de supermercados são um grande problema ambiental. Depois que o consumidor chega em casa e organiza suas compras nos devidos lugares, elas viram um amontoado de material desnecessário e de destino incerto. Por isso, o MMA - Ministério do Meio Ambiente - lançou, em 23 de junho, a campanha “Saco é um saco: Pra cidade, pro planeta, pro futuro e pra você”.

A iniciativa será veiculada na televisão e cinema (com dois filmes de curta duração - de junho a dezembro -, que também ficarão disponíveis também no You Tube), internet, rádio, jornal e revistas, além de fazer uso de marketing viral e prever a distribuição de folhetos. A campanha foi dividida em quatro fases e inclui avaliação final.

O plástico leva cerca de 400 anos para se decompor nos aterros sanitários ou nos lixões e o uso de material descartável em excesso resulta no acúmulo de lixo que vai parar nos bueiros, nos rios e nos mares, matando animais, demandando altos investimentos do governo para limpar essa bagunça e piorando a qualidade de vida das pessoas.

São distribuídas, no mundo, entre 500 bilhões e um trilhão de sacolas plásticas por ano. Um produto que têm custo zero para o cliente, mas requer injeções de recursos para solucionar as complicações que elas causam a longo prazo.

Por que as pessoas insistem, afinal de contas, em fazer uso das sacolinhas? Uma das causas, de acordo com o Ministério é uma característica da sociedade brasileira: o reuso para o acondicionamento de lixo, que acontece em todas as classes sociais. Introduzidas na década de 1980, elas causaram uma revolução na coleta de lixo, principalmente para as populações de classe baixa, que não compravam – e ainda não tem o costume de comprar - sacos de lixo por causa do preço.

Esse é um dos aspectos que a campanha abarca para pregar que, enquanto menos de 10% dos municípios brasileiros contam com sistemas de coleta seletiva, ainda não é possível falar em abolir as sacolas plásticas. A iniciativa situa o problema no âmbito do consumo consciente e vai investir em parcerias com estabelecimentos e material de divulgação.

O consumo sustentável é a abordagem principal do Processo de Marrakech, um programa do PNUMA - Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente - que incentiva os países participantes a realizar ações de mudanças na produção e no consumo. O Brasil aderiu ao Processo em 2003 e se comprometeu a fazer dele uma diretriz do MMA.

Outras opções vêm sendo estudadas pelo MMA, como os oxi-biodegradáveis e dos chamados bioplásticos. Os primeiros, segundo o Ministério, não resolvem por si só os problemas ambientais causados pelas sacolas plásticas descartadas como lixo ou como recipiente para o lixo. Além disso, o fato de ser biodegradável pode levar à sociedade a pensar que o material irá se decompor naturalmente, o que incentivaria o descarte irresponsável.

O plástico oxi-biodegradável é que, sob certas condições de luz e calor, se fragmenta e torna o manejo desses resíduos mais complexo porque ainda não foi determinado o seu impacto.

Quanto à tecnologia dos bioplásticos, que podem ser biodegradáveis e compostáveis, o MMA entende que deve ser incentivada no Brasil, como já acontece em outros países. No entanto, no que diz respeito ao uso do bioplástico para a confecção de sacolas, existe uma ressalva importante: sem a implementação de uma política de coleta seletiva, de sistemas de compostagem e biodigestores, a aplicação deste material agravaria a situação dos depósitos de lixo no que diz respeito ao acúmulo de resíduos orgânicos, liberando mais gases de efeito estufa como CO2 e CH4.





Manoella Oliveira
Planeta Sustentável - 22/06/2009

Nenhum comentário: