.

E http://dicasdaantenadaereciclada.blogspot.com/: Com dicas de locais interessantes, compras, decoração, diversão tendo por objetivo a reciclagem, o estar em dia com o que acontece contribuindo para você viver melhor!

.

Related Posts with Thumbnails

quarta-feira, 16 de setembro de 2009

SÍNDROME DO PÂNICO CRESCE ENTRE A POPULAÇÃO...

VI ESTA MÁTERIA NA REVISTA ONLINE - PROFISSÃO BELEZA - E ACHEI LEGAL POSTAR AQUI, POIS COMO JÁ SOFRI DE UMA FOBIA, E SEI COMO É DIFÍCIL PRA QUEM SOFRE COM A SÍNDROME, ESTA MATÉRIA FICA COMO AJUDA E ALERTA.

A síndrome ou transtorno do pânico levou considerável tempo para ser reconhecida como doença, devido aos inúmeros sinais que apresenta. Trata-se de uma condição mental psiquiátrica que faz com que o indivíduo tenha ataques de pânico esporádicos, intensos e muitas vezes recorrentes.

De acordo com José Moromizato, médico que atua há vinte anos como cirurgião e que pela sua vasta experiência percebeu a relação que existe entre a saúde mental e fisica, essa moléstia que já atinge 4% da população mundial, incidindo três vezes mais em mulheres do que nos homens. “É muito extensa a faixa etária atingida por esse mal, embora grande parte esteja entre os vinte e quarenta anos, no auge do período profissional. Tem-se constatado também em grande número de mulheres que iniciam o período da menopausa”.

O especialista revela que o perfil do paciente que é atingido pela crise do medo é de uma pessoa com a mente muito ágil e perfeccionista, com tendência a assumir responsabilidades além do seu próprio limite. “Quando a vida traz uma situação inesperada e traumatizante (geralmente perda de entes queridos e abalos financeiros) o nível de estresse é tão alto que este indivíduo entra em crise, caracterizada por taquicardia (batimentos acelerados e intensos do coração), sudorese sem febre, enjôos, dor de cabeça e no tórax, sendo muito confundida com um infarto”.

O sentimento de impotência perante os sintomas físicos e a falta de controle emocional levam ao desespero, com a nítida impressão de morte próxima. “Geralmente estes sintomas físicos o fazem buscar ajuda em prontos-socorros e clínicas de emergência. O susto dá vez para o alívio e ao mesmo tempo à frustração ao saber que não se trata de nenhuma patologia física.

Gradativamente o doente, com medo das crises, vai afastando-se dos seus afazeres diários e procura não entrar em contato com situações que ameacem desencadear outras crises (como ambientes cheios de pessoas, transportes públicos e lugares fechados). Ele se isola cada vez mais no único lugar que julga ser seguro, o próprio lar”.

Embora toda essa sintomatologia dê a impressão de que a indisposição é progressiva e incurável, quando diagnosticada apresenta resultados positivos e rápidos durante o tratamento. “A grande demora encontra-se na análise, pois os sintomas acobertam a verdadeira causa do problema, que é emocional. Se o indivíduo começa a ter freqüentes palpitações, procura um cardiologista, se sofre de dores durante as crises procura um neurologista ou reumatologista”.
O especialista ilustra que atualmente os tratamentos mais indicados são os que combinam medicação ansiolítica com psicoterapia. Esta última visa entre muitas coisas auxiliar o paciente no resgate da autoconfiança necessária ao domínio das crises, através da consciência de si próprio. “É bom lembrar que ansiedade é uma sensação inerente ao ser humano e que o leva a tomar decisões, agir e defender-se do perigo. O grande problema é quando essa percepção torna-se presente de maneira exacerbada em nossas vidas, diminuindo o prazer de trabalhar, estudar e comprometendo os relacionamentos de modo geral”.

José Moromizato
- Cirurgião
Fonte: http://www.profissaobeleza.com.br/


Os links do Google tem sempre uma novidade. Clique.
Não deixe de solicitar informações sobre nossa apostila "ASSISTENTE DE DIRETORIA"
alinemarc@ymail.com